Teatro

PUM – HISTÓRIAS MAL CHEIROSAS

pumServiço:
Período: 12 de setembro a 11 de outubro de 2015.
Dias:
Sábados e domingos
Hora: 16h
Local: Teatro Carlos Carvalho – 2º andar CCMQ (Andradas, 736)
Ingressos: R$ 30,00 – Público em Geral
Informações: ana@makkiproducoes.com.br

Espetáculo para crianças “PUM – Histórias mal cheirosas” acontece de setembro a outubro, nos sábados e domingos, às 16h, no Teatro Carlos Carvalho.

Todo mundo é diferente.
Todo mundo é igual.
Todo mundo escova o dente.
Todo mundo já fez au-au.
Todo mundo já fi􀀚cou doente.
Todo mundo já comeu mingau.
Todo mundo solta PUM!
Será que cheira a atum?

A Princesa Florinda prepara sua apresentação para o Grande Show de Talentos do Reino, só que quando 􀀚fica nervosa Florinda sofre de um probleminha. Partindo de um tema engraçado e mal cheiroso discutimos as diferenças e as igualdades. Até que ponto somos tão iguais e ao mesmo tempo tão diferentes? PUM! Histórias Mal Cheirosas está comemorando 5 anos em cartaz nesse ano. São mais de 250 apresentações no currículo, entre turnês, festivais, mostras, feiras de livro, eventos e temporadas nos estados do RS, SC e PR. Em 2010, o espetáculo foi indicado ao Prêmio Tibicuera de Teatro Infantil como Melhor Produção

Sobre a Makki Produções:
Empresa especializada em espetáculos, em todos os lugares, para crianças de todas as idades. A Makki Produções valoriza o raciocínio e a capacidade de compreensão da criança, buscamos em nossos espetáculos permitir que elas re􀀟itam e divirtam-se através do lúdico. Chamamos de “Teatro para crianças de todas as idades” ao invés de “teatro infantil”, os trabalhos dirigidos a elas. Esta denominação descaracteriza qualquer conotação pejorativa que o termo “infantil” possa carregar, como o preconceito de ser algo menos elaborado. São espetáculos que tenham uma relação de sentido para a criança de cada um, espetáculos para a família inteira, espetáculo para CRIANÇAS DE TODAS AS IDADES.

Teatro em Todos os Lugares
Utilizando de cenários fáceis de transportar, que podem ser montados em qualquer lugar a Makki Produções investe na democratização da cultura. Essa versatilidade permite que os nossos espetáculos sejam apresentados em diferentes e variados espaços.

ESPETÁCULO INFANTIL ‘LABORATÓRIO ALOPRADO’

laboratorioServiço:
Período: De 5 a 27 de setembro de 2015.
Dias: Sábados e domingos.
Hora:
 16h (Dia 13, apresentação às 17h30)
Local:
Sala Lili Inventa o Mundo – 5º andar CCMQ (Andradas, 736)
Ingressos (apenas 35 ingressos por sessão): Na hora: R$ 30,00 inteira / R$ 15,00 Clube ZH, crianças, estudantes e idosos
Antecipados (por email contato@entreteniarte.com): R$ 20,00 inteira / R$ 10,00 crianças, estudantes e idosos
Informações:
(51) 3276.4134 e teatroescola@entreteniarte.com

(mais…)

RICARDO III (RIO DE JANEIRO)

divulgaa-sect-a-pound-o-riii-3-cred-nil-canina-copy-22° PORTO ALEGRE EM CENA

Serviço:
Dias: 16, 17 e 18 de setembro de 2015 (quarta, quinta e sexta).
Hora: 18h.
Local: Teatro Bruno Kiefcer – 6º andar CCMQ (Andradas, 736)
Ingressos: R$ 60,00 e R$ 30,00 – Descontos e locais da venda dos ingressos: http://www.portoalegreemcena.com/#!ingressos/c253k
Detalhes: www.portoalegreemcena.com/ alicecavalcante@gmail.com (mais…)

INTERNACIONALIZAÇÃO DA DRAMATURGIA ESPANHOLA

22º PORTO ALEGRE EM CENA NA CCMQ

Serviço:
Dia:
11 de setembro de 2015 (sexta-feira)
Hora:
18h30min – Lançamento da Coleção Dramaturgia Espanhola (Editora Cobogó), com a presença da autora, Lucía Vilanova e de Xavier Albertí, representante de Lluïsa Cunillé.
19h30min – “Après Moi, le Dèluge”, de Lluïsa Cunillé. Leitura dramática a partir da residência da Usina do Trabalho do Ator com o diretor Márcio Aurélio e o dramaturgo Xavier Alberti.
21h – “Münchhausen”, de Lucía Vilanova. Leitura dramática a partir da residência da Cia Stravaganza com o diretor Pedro Brício e a autora.
Local: Teatro Bruno Kiefer – 6º andar CCMQ (Andradas, 736).
Entrada franca.  

INTERCÂMBIO, TRADUÇÃO E CRIAÇÃO
O Projeto de Internacionalização da Dramaturgia Espanhola envolve diferentes artistas brasileiros de teatro e promove um encontro entre encenadores e tradutores com textos fundamentais da rica produção contemporânea da Espanha. O projeto a um só tempo articula tradução, edição, criação artística, intercâmbio, registro, reflexão e difusão. A iniciativa, promovida pela Acción Cultural Española – AC/E, encontrou o apoio do Tempo festival (Rio de janeiro), que convidou a Editora Cobogó a publicar as peças, e quatro prestigiosos festivais de artes cênicas de diferentes pontos do Brasil para somarem forças. O projeto passou, assim, a congregar o Porto Alegre em Cena – Festival Internacional de Artes Cênicas; Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília; Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia – FIAC; e Janeiro de Grandes Espetáculos – Festival Internacional de Artes Cênicas de Pernambuco.

Cada um dos cinco festivais convidou encenadores para realizar as traduções das peças selecionadas e suas leituras dramáticas durante a programação dos eventos, com vistas também à troca de experiências entre contextos culturais dentro das fronteiras brasileiras, estendendo, assim, o caráter de articulação e intercâmbio intrínseco ao projeto internacional. Além disso, o projeto inclui residências artísticas e o lançamento da publicação dos dez textos através da Coleção Dramaturgia Espanhola, da Editora Cobogó, cuja linha editorial busca sempre a valorização e a divulgação da dramaturgia contemporânea.

Com os livros, as peças ganham outros territórios — outras encenações podem ser elaboradas e outros universos construídos. Uma oportunidade para discutir outras linguagens no teatro, outros modos de pensar a dramaturgia, outras vozes, e, ainda, estimular a construção de uma cultura de ler teatro. Esta iniciativa oferece aos artistas brasileiros um expressivo conjunto da diversidade de propostas dramatúrgicas da atualidade de autores espanhóis.

OBRA – MÜNCHHAUSEN
AUTORA – Lucía Vilanova – (Oviedo, Espanha, 1961) é dramaturga e atriz. Formou-se na Escuela de Arte Dramático de Madrid em 2006, com especialização em Direção de Cena e Dramaturgia. Em 2008, conquistou o diploma de estudos avançados no Departamento de Filologia Italiana da Universidad Complutense de Madrid. Como dramaturga, é autora de Pastoral (2002), Maladie (2004), Münchhausen (2006), Torvaldo furioso (2007), El que me lee el agua (2008), Las afinidades de Silvia y Constanza (2009), Invidere (2011), María Moliner (2012), Las hermanas de Orestes (2013), Pioneras de la ciência (2013), Erminia (2014) e Playlist (2014). Além disso, escreveu diversas adaptações para o teatro, como Enemigo de classe (2006), de Nigel Williams, La moglie di Gogol (2008), baseado no relato de Tomasso Landolfi, e La buena terrorista (2014), de Doris Lessing.

Como atriz, trabalhou em teatros da Espanha e outros países e em televisão, com dublagem, em espetáculos de Zarzuela e da Commedia dell’Arte. Atualmente colabora como dramaturga em diversos projetos do Nuevo Teatro Fronterizo de Madrid, criado e dirigido por José Sanchis Sinisterra.

DIRETOR/TRADUTOR – Pedro Brício – (Rio de Janeiro, Brasil, 1972) é dramaturgo, diretor e ator. Estudou Cinema na Universidade Federal Fluminense e é Mestre em Teatro pela Unirio. Cursou a Desmond Jones School of Mime, em Londres, a Scuola Internazionale dell’attore Comico, em Milão, e a École Philippe Gaulier, novamente em Londres. Dentre as peças que escreveu estão A incrível confeitaria do Sr. Pellica (2005), pela qual ganhou o Prêmio Shell de melhor autor; Cine-Teatro Limite (2008), com a qual ganhou o Prêmio Contigo; Me salve, musical! (2010); Trabalhos de amores quase perdidos (2011); Breu (2012); e A Outra Cidade (2013), pela qual ganhou o Prêmio Questão de Crítica. Como diretor, encenou textos de Samuel Beckett, Edward Albee, Rafael Spregelburd, Patrícia Melo e Hilda Hilst.

CIA STRAVAGANZA criada em junho de 1988, chega aos 27 anos em plena atividade. Além de criar e produzir 25 espetáculos e inúmeros projetos, se firma como um coletivo afinado com as teatralidades contemporâneas. Centra seu processo criativo sobre o ator-criador, o performer que busca recriar a tradição fundindo-a com propostas contemporâneas de atuação. Desde 2006, tem trazido à cena textos de dramaturgos contemporâneos reconhecidos pela renovação da linguagem teatral, como o chileno Ramón Griffero e o francês Joel Pommerat.

OBRA – APRÈS MOI, LE DÈLUGE (Depois de mim, o dilúvio)
AUTORA – Lluïsa Cunillé – (Badalona, Espanha, 1961) é dramaturga. Participou durante três anos dos Seminários de Dramaturgia Textual dirigidos por José Sanchis Sinisterra na Sala Beckett de Barcelona. Em 1995, fundou La Companyia Hongaresa de Teatre, com Paco Zarzoso e Lola López, e, em 2009, a companhia La Reina de la Nit, com Xavier Albertí e Lola Davó. Foi autora residente do Teatre Lliure de Barcelona (2008-11), e atualmente é parte do Comitê de Leitura do Teatre Nacional de Catalunya. Entre outras peças, montou Rodeo (1992), Accident (1996), Privado (1998), Passatge Gutenberg (2000), Aquel aire infinito (2003), Barcelona, mapa d’ombres (2004), Il.lusionistes (2004), Après moi, le déluge (2007), El bordell (2009) e Fronteres (2014). Ganhou alguns prêmios, como o Prêmio da Institució de les Lletres Catalanes,em 1996, o Prêmio Nacional de Teatro da Generalitat de Catalunya, em 2007, o prêmio Born de Teatre, em 1999 e 2010, a Lletra d´Or de melhor livro catalão, em 2008, e o Prêmio Nacional de Literatura Dramática outorgado pelo Ministério de Cultura da Espanha, em 2010.

DRAMATURGO – Xavier Albertí – (Lloret de Mar, Espanha, 1962) é o atual diretor artístico do Teatro Nacional da Catalunha. Foi diretor do Festival Grec de Barcelona, da área de criação do Institut Ramon Llull e dos serviços culturais do Institut del Teatre de Barcelona. Dirigiu mais de oitenta performances que vão desde o teatro contemporâneo para ópera e opereta. Recebeu a maioria dos prêmios dados no teatro catalão. Seus espetáculos são apresentados em inúmeros festivais internacionais, como Buenos Aires, Caracas, Bogotá, Londrina, Guanajuato, Edimburgo, Palermo, etc. E tem na sua carreira a direção de mais de 20 espetáculos de Lluïsa Cunillé.

DIRETOR/TRADUTOR – Marcio Meirelles – (Salvador, Brasil, 1954) é encenador, dramaturgo, cenógrafo e figurinista. Foi fundador do grupo Avelãz y Avestruz (l976-89), do Bando de Teatro Olodum (1990), e criador/diretor do espaço cultural A Fábrica (1982). Atuou em várias funções na TV Educativa da Bahia e foi diretor do Teatro Castro Alves (1987-91). Em 1994, coordenou o projeto de revitalização do Teatro Vila Velha e foi seu diretor artístico até 2006. De 2007 a 2010 foi Secretário de Cultura do Estado da Bahia. Criou, em 2013, a Universidade LIVRE de Teatro Vila Velha. Como dramaturgo, já dirigiu espetáculos na Inglaterra, Portugal e Cabo Verde. Entre alguns de seus trabalhos estão os espetáculos Cabaré da Rrrrraça (1997); Bença (2010); a Trilogia do Pelô (1991/94), adaptada para cinema e televisão com o título de uma das peças, Ó paí, ó!; e Candaces – a reconstrução do Fogo (2003), por cuja direção foi indicado para o Prêmio Shell. Foi condecorado como Cavaleiro da Ordem do Mérito da Bahia, em 1990, e homenageado pelo Troféu Copene de Teatro pelo conjunto de seu trabalho, em 1999.

UTA – USINA DO TRABALHO DO ATOR
O grupo teatral USINA DO TRABALHO DO ATOR  Desde sua criação – em 1992, quando era vinculado a um projeto da prefeitura de Porto Alegre – a Usina do Trabalho do Ator tem como proposta investigar, de forma prática, o trabalho do ator e os processos adjacentes da linguagem teatral, em particular suas pedagogias. Seus desdobramentos incluem espetáculos apresentados no Brasil e no exterior, assim como demonstrações técnicas e trabalhos escritos publicados. Nessa perspectiva, o ator é investigado no amplo espectro das possibilidades criativas e na configuração de suas identidades, em um modo particular de fazer teatro. Hoje, o grupo está ligado ao GETEPE-Grupo de estudos em educação, teatro e performance, da UFRGS.

 

(mais…)