Obras de Adriano Machado e de Laryssa Machada na exposição coletiva que reúne 27 artistas de cinco países | Imagens: reprodução

Casa de Cultura Mario Quintana abre o Circuito Latino-Americano de Arte Contemporânea

Publicado em 08/12/2021

POR LUDWIG LARRÉ | ASCOM CCMQ
 

O I Circuito Latino-Americano de Arte Contemporânea (CLAC), realização da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), instituição da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), abre nesta sexta-feira, 10 de dezembro, às 18h. O evento se prolonga até 20 de fevereiro de 2022, com ampla programação paralela de palestras, seminários, atrações musicais e uma mostra de cinema independente. As obras selecionadas mediante edital vão estar expostas em seis espaços do complexo cultural da Rua dos Andradas, 736, no Centro Histórico de Porto Alegre. O CLAC já é considerado o evento de maior dimensão dentre as iniciativas da instituição no campo das artes visuais.

Com edital lançado no mês de agosto, o I Circuito Latino-Americano de Arte Contemporânea recebeu mais de 300 inscrições. A seleção dos classificados esteve a cargo do júri composto por Charlene Cabral, Oendu Mendonça e Luana Vitra. O edital também definiu, como forma de premiação, a aquisição de quatro das obras selecionadas, que passam a integrar o acervo permanente da CCMQ.

A exposição coletiva reúne 27 artistas, do Brasil, Argentina, Peru, México e Estados Unidos. As obras estarão distribuídas pelo complexo cultural, formando um circuito que articula importantes espaços da CCMQ e percorre o Espaço Majestic (Térreo), o Espaço Maria Lidia Magliani (5º andar), a Sala Radamés Gnattali (4° andar), a Sala Virgilio Calegari (7º andar), o Laboratório Fotográfico Vânia Toledo (3º andar) e a Cúpula da CCMQ (7º andar).

Os artistas selecionados são Abimael Salinas (Rio de Janeiro - São Luís/BR), Adriano Machado (Feira de Santana/BR), Ale Montiel (Córdoba/El Calafate/AR), Amador e Jr. Segurança Patrimonial Ltda. (Rio de Janeiro/BR), Amanda Teixeira (Porto Alegre/BR - Valencia/EUA), Breno de Sant’ana (Rio de Janeiro/BR), Bruno Novaes (São Bernardo do Campo - São Paulo/BR), Camila Proto (Porto Alegre - Rio de Janeiro/BR), Carlos A. Mora (Guadalajara/MX), Cecilia Cipriano (Cachoeiro do Itapemirim – Rio de Janeiro/BR), Coletivo Inço (Chapecó/BR), Cyshimi (São Paulo/BR), Enero y Abril (Xalapa - Ciudad de México/MX), Fernando Villalpando (Huixquilucan - Naucalpan/MX), Fran Favero (Chopinzinho - Florianópolis/BR), Giuliana Migliori (Lima/PER), Idylla Silmarovi (Contagem - Belo Horizonte/BR), Julha Franz (Porto Alegre/BR), Laryssa Machada (Porto Alegre - Salvador/BR), Louise Lucena (Rondônia - Porto Alegre/BR), Luisa Brandelli (Porto Alegre - São Paulo/BR), Marcel Diogo (Belo Horizonte - Contagem/BR), Paty Wolff (Cacoal - Cuiabá/BR), Sofia Ramos (Boa Vista – Brasília/BR) e Yara Pina (Goiânia/BR).

Coube à comissão julgadora também a seleção de projetos que vão integrar a programação paralela do I CLAC. Os projetos aprovados são de Adriano Machado (Feira de Santana/BR), Ana María Noguera Durán (Bogotá/CO - Porto Alegre/BR), Anna Ortega (Porto Alegre/BR), Juliana Proenço de Oliveira (Caxias do Sul - Porto Alegre/BR) e Mel Ferrari (Porto Alegre). As atividades paralelas envolvem ainda a participação de teóricos, pesquisadores e críticos de arte de expressão no cenário nacional e internacional, e um festival de cinema independente, realizado em parceria com o Instituto Estadual de Cinema (Iecine) e com a Cinemateca Paulo Amorim, também instituições da Sedac. A programação também conta com atrações musicais definidas de acordo com a proposta do evento.

O diretor da CCMQ, Diego Groisman, responsável pela curadoria do I Circuito Latino-americano de Arte Contemporânea ao lado de Charlene Cabral, associa a concepção do evento a dois acontecimentos de grande relevância para as artes visuais, realizados em Porto Alegre, no final da década de 1950: o I Salão Pan-americano de Arte e o I Congresso Brasileiro de Arte, ambos idealizados para celebrar o cinquentenário do Instituto de Belas Artes (atual Instituto de Artes da UFGRS). “À época, a realização dos eventos demarcava a força do sistema das artes local em interlocução com o contexto internacional e convocava intelectuais, artistas e críticos de todo Brasil ao debate de questões relacionadas à produção artística e seus impactos em múltiplas esferas – filosófica, social e política”, situa Groisman. “Mais de seis décadas depois, o CLAC, traz a Porto Alegre uma seleção de trabalhos artísticos sintonizados à complexa cena contemporânea, repercutindo em seus formatos e provocações os anseios, dilemas e respostas apresentados sob o signo da pluralidade”, observa o diretor da CCMQ.

Groisman destaca ainda que o conceito de América-Latina agrega diferentes países a partir de convergências linguísticas, históricas, sociais e culturais que acentuam o viés político da arte, em contraste com as demandas do sistema capitalista, fortemente representado pelo norte global. “O I Circuito Latino-americano de Arte Contemporânea busca promover o diálogo entre distintas percepções artísticas, a partir de um suposto denominador comum: a relação do pensamento e fabricação da arte, forjados em contextos de generalizada injustiça social”, acrescenta Diego Groisman.


I Circuito Latino-Americano de Arte Contemporânea - CLAC
Quando:
10 de dezembro de 2021 a 20 de fevereiro de 2022
Onde: Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ - Andradas, 736 | Centro Histórico de Porto Alegre)

CLIQUE PARA AMPLIAR
Patrocinador Master
Apoio
Realização