Gravação do documentário "O Caso do Homem Errado", Porto Alegre, 2016 | Foto: Irene Santos

Casa de Cultura Mario Quintana e Iecine lançam I Festival Cinema Negro em Ação

Publicado em 09/09/2020

POR CLARISSA LIMA - ASCOM/SEDAC

O evento busca promover a equidade racial no mercado audiovisual.

 

Profissionais negras e negros, com interesse em participar do I Festival Cinema Negro em Ação, podem inscrever suas produções entre os dias 14 de setembro e 16 de outubro, pelo site da Secretaria de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul (Sedac). O festival é internacional e competitivo, contemplando videoclipes, videoartes, curtas-metragens e longas-metragens em formato digital. Estão habilitadas a participar produções de qualquer ano, com temática livre, sem necessidade de serem inéditas. O festival acontece em novembro, integrado às programações do mês da Consciência Negra.

O evento, idealizado pela cineasta gaúcha Camila de Moraes, está sendo realizado pela Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ), em parceria com o Instituto Estadual de Cinema (Iecine), instituições da Sedac. “Importante frisar que é um festival afirmativo, que tem a intenção de conhecer outros olhares produzidos dentro do audiovisual, servindo como um facilitador de diálogos entre público e setores da industria cinematográfica”, relata Camila.

Diego Groisman, diretor da CCMQ, reafirma o compromisso em pautar ações culturais que promovam a diversidade. “Realizar um festival a partir de produções de pessoas negras é importante para dar visibilidade a esses trabalhos, contribuindo para promoção de políticas de equiparação racial”, acrescenta. 

O diretor do Iecine, Zeca Brito, também destaca o comprometimento com a equidade racial no mercado audiovisual. “O Festival representa um marco nas políticas afirmativas das instituições envolvidas. Resultado de um programa de inclusão e representatividade que aposta no audiovisual como um caminho de desenvolvimento econômico e social”, ressalta.

A iniciativa reforça as políticas inclusivas e afirmativas desenvolvidas pela Secretaria de Estado da Cultura. “Valorizar as produções de agentes negros e negras do audiovisual é um dos caminhos que acreditamos para alcançar cada vez mais presenças negras nas artes e incentivar as suas permanências”, afirma Carol Anchieta, Assessora de Diversidade da Sedac.

 

SELEÇÃO E EXIBIÇÃO - A curadoria do festival anunciará as obras selecionadas até o dia 5 de novembro. O Festival acontece de 20 a 27 de novembro, apresentando 20 horas de programação na grade da TVE-RS, em uma ação afirmativa inédita. As produções também poderão ser conferidas no Brasil e no exterior pelas redes sociais da Casa de Cultura Mario Quintana e pela plataforma Cultura em Casa, da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo.

 

PREMIAÇÃO – Os concorrentes serão avaliados por um júri especializado que apontará os vencedores. Estão previstos prêmios nas principais categorias, incluindo uma residência artística, para os vencedores de melhor curta-metragem estadual e melhor longa-metragem nacional, em parceria com o Festival Internacional de Cine de Cartagena de Índias, na Colômbia, o mais antigo das Américas. Além disso, haverá seleção de 14 projetos em desenvolvimento de séries e longas-metragens que vão receber o selo Cinema Negro em Ação, e serão apresentados em encontros exclusivos com players convidados parceiros do festival, dentre os quais, a plataforma Netflix.

 

Festival é parte de um projeto mais amplo

 

O I Festival Cinema Negro em Ação é a primeira etapa de um projeto maior, programado para 2021, voltado a promover a igualdade, a valorização e a preservação da cultura negra, por meio da produção audiovisual. O Programa Cinema Negro em Ação prevê oficinas de capacitação para que novos profissionais, negras e negros de sete regiões do estado do Rio Grande do Sul, se habilitem a atuar no mercado do audiovisual. Essa fase do programa, viabilizada em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande Sul (IFRS), irá contemplar 150 jovens profissionais negras e negros.

 

I Festival Cinema Negro em Ação

Inscrições: de 14 de setembro a 16 de outubro pelo site www.cultura.rs.gov.br.

Divulgação dos selecionados: 05 de novembro 2020.

Programação: de 20 a 27 de novembro 2020.

Premiação: 27 de novembro de 2020.

 

Regulamento e outras informações em www.cultura.rs.gov.br.

 

 

Sobre a curadora e idealizadora do projeto:

 

Camila de Moraes é jornalista e graduanda no Curso B.I. de Artes, com concentração em audiovisual pela Universidade Federal da Bahia. Na área do cinema, dirigiu o documentário de longa-metragem “O Caso do Homem Errado”, que aborda a questão do genocídio da juventude negra no Brasil. A cineasta se tornou a primeira mulher negra no Rio Grande do Sul e a segunda no Brasil a entrar em circuito comercial com um longa-metragem, após 34 anos de silenciamento, desde que Adélia Sampaio, em 1984, dirigiu o longa-metragem de ficção “Amor Maldito”. Aclamado, o filme esteve na seleta lista de pré-selecionados pelo Ministério da Cultura para representar o Brasil e concorrer ao prêmio de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar 2019. Atualmente, Camila desenvolve o projeto de uma série de ficção chamada “Nós Somos Pares”, que aborda a vida de seis mulheres negras e suas relações de amizade e amores.

CLIQUE PARA AMPLIAR
Patrocinador Master
Patrocinador
Realização