Filipe Catto traz canções de seu repertório e faz leitura de textos de Caio Fernando | Foto: Lorena Dini

Filipe Catto no Casa Virtual Especial Caio Fernando Abreu

Publicado em 23/10/2020

POR LUDWIG LARRÉ - CCMQ/ASCOM SEDAC
 

Em apresentação exclusiva pelo Instagram, às 21 horas do dia 31 de outubro, Filipe Catto mostra canções de seu repertório e faz leitura de textos de Caio Fernando Abreu. A edição especial do evento Casa Virtual marca a homenagem ao escritor gaúcho, que passa a denominar um espaço da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ).

A CCMQ vem desenvolvendo mais uma ação afirmativa, efetivada com a denominação de espaços do equipamento cultural que passam a homenagear personalidades negras, mulheres e pessoas LGBTQIA+ da cena artística brasileira, em especial sul-rio-grandense. A primeira dessas homenagens dá o nome de Caio Fernando Abreu a uma sala localizada no terceiro andar da Casa. O espaço será dedicado exclusivamente a atividades relacionadas à literatura, como oficinas e cursos de escrita, saraus e encontros literários em geral.
Outros homenageados serão Carmen Silva, Evelyn Berg Ioschpe, Lory F, Maria Dinorah, Maria Lídia Magliani, Odilon Lopes, Vania Toledo e Vera Karam. “Para além da visibilidade a nomes, tantas vezes lateralizados na história, a iniciativa se configura como possibilidade de gerar representatividade entre os diversos públicos, abrindo-se, no plano simbólico, acesso democrático aos bens culturais. Pretende-se, com isso, valorizar a diversidade humana e assegurar o reconhecimento da contribuição desses agentes culturais”, detalha Diego Groisman, diretor da Casa de Cultura.
Para comemorar a oficialização da ação afirmativa, a CCMQ traz Filipe Catto em mais uma edição do Projeto Casa Virtual, pelo qual já passaram, desde o início das medidas de distanciamento social, nomes como Zudizilla, Ian e Vitor Ramil, Adriana Calcanhotto e Maria Rita. “Com a obra bastante influenciada pela literatura de Caio Fernando, Filipe Catto concebeu uma apresentação exclusiva para o Projeto Casa Virtual, marcada pela estética da solidão, tão recorrente nos textos do escritor santiaguense, como nas letras das músicas do cantor e compositor natural de Lajeado”, comenta Diego. A atriz e diretora Deborah Finocchiaro, que mantém um espetáculo baseado nos textos de Caio Fernando, também participa dessa edição do Casa Virtual. Deborah conversa com Filipe Catto e faz a leitura de um texto do escritor homenageado.

O homenageado

Caio Fernando Loureiro de Abreu (Santiago-RS, 12 de setembro de 1948 – Porto Alegre-RS, 25 de fevereiro de 1996) foi um dos expoentes de sua geração de escritores brasileiros. Dramaturgo e jornalista, produziu conteúdos culturais para alguns dos principais jornais e revistas do Rio Grande do Sul e do Brasil. Vencedor do Prêmio Jabuti de Literatura em 1984, 1989 e 1996, respectivamente, com os livros “O Triângulo das Águas”, “Os Dragões não Conhecem o Paraíso” e “Ovelhas Negras” (contos, crônicas e novelas), teve ainda a obra “Morangos Mofados” destacada como livro do ano de 1982 pela Revista Isto É. Assumidamente homossexual, no período de maior repressão dos “Anos de Chumbo”, Caio Fernando foi perseguido pela ditadura militar, tendo vivido um ano no exílio entre Espanha, Suécia, Países Baixos, Inglaterra e França.    

Filipe Catto

Filipe Catto alcançou o sucesso ainda muito jovem, com trabalhos voltados para a MPB, o samba e o tango moderno, mas com o tempo, avançou para outros gêneros, como o jazz, o rock e o bolero, entre outros. Suas composições já estiveram em trilhas sonoras de sucesso, como "Saga" (da novela Cordel Encantado), "Quem É Você" (da novela Sangue Bom), "Adoração" (da novela Saramandaia) e "Flor da Idade" (da novela Joia Rara).
Consagrado no país e no exterior, já dividiu o palco com artistas como Maria Bethânia, Ney Matogrosso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Beth Carvalho, Odair José, Marcelo Jeneci, Vanessa da Matta, Toquinho, Daniela Mercury, Zélia Duncan, Maria Gadú, entre outros.
O Especial Casa Virtual em homenagem a Caio Fernando Abreu tem um significado todo especial para Filipe Catto, que lembra ter entrado em contato com a obra do escritor, quando ainda adolescente, em um Sarau Elétrico do Bar Ocidente, em Porto Alegre. “Fiquei completamente marcado pela obra de Caio Fernando, porque a poética dele falava exatamente da minha alma, do que eu estava vivendo naquele momento. Aquele era meu universo, inclusive na questão mais mística. Entrar em contato com a obra de Caio sofisticou o meu texto. Todo mundo que é diferente, num país tão normativo, tem Caio Fernando de Abreu no coração. Especialmente em um momento tão obscurantista como o que estamos vivendo, a obra do Caio se ilumina ainda mais”, emociona-se Catto.

Casa Virtual Especial Caio Fernando Abreu com Filipe Catto
Quando: 31 de outubro | sábado
Horário: 21h
Onde: Instagram @ccmarioquintana

Patrocinador Master
Patrocinador
Realização