Obras de Gino Bidart e Gabriela Kostesky ficam expostas até 17 de outubro | Foto: Germano Scheller

CCMQ abre exposição internacional com a presença do embaixador e da consulesa do Uruguai

Publicado em 24/09/2021

POR LUDWIG LARRÉ | ASCOM CCMQ

A Exposição Nômades/Bikost pode ser visitada, até 17 de outubro, de segundas a sábados, das 10h às 18h, na Fotogaleria Virgílio Calegari, 7º andar da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ – Andradas, 736 – Centro Histórico de Porto Alegre), instituição da Secretaria de Estado da Cultura (Sedac). A mostra internacional reúne obras dos consagrados artistas visuais uruguaios Gabriela Kostesky e Gino Bidart.

As obras selecionadas oferecem um panorama da trajetória individual de cada artista, detalha o produtor da exposição, Germano Scheller, graduando em História da Arte e integrante da equipe curatorial da CCMQ. “Bidart, possuidor de formação clássica em desenho e em arte têxtil, cruza, em telas de grandes proporções, a figuração realista e um forte abstracionismo cromático. Em suas obras, sobressaltam figuras de cães de rua, casas e representações espaciais geométricas, como índices de uma perspectiva atenta à paisagem urbana e social das metrópoles e cidades fronteiriças da América Latina. Kostesky, por sua vez, trabalha predominantemente com a técnica da colagem, chegando a transbordar os limites do bidimensional e experimentando, ocasionalmente, a linguagem escultórica. Seu trabalho costura referências da música, do cinema e da cultura popular, o que cria um universo pictórico próprio e transversal, a partir de amálgamas de imagens e signos, em diálogo íntimo com a História da Arte”, comenta Scheller.

O texto curatorial de Germano Scheller destaca ainda que a semântica da palavra nômade reserva certa carga pejorativa, ao indicar aquele que não se fixa ou se estabelece em nenhum lugar. “Nos interstícios da palavra, todavia, há um sentido cosmopolita que também pode definir aquele que busca habitar novos territórios. Este, em sua última acepção, parece estar no conceito proposto por Gino Bidart e Gabriela Kostesky para intitular sua primeira exposição conjunta em Porto Alegre. Colecionadores de residências, passagens e prêmios internacionais, os artistas uruguaios estabeleceram morada durante este ano na capital gaúcha, e, na bagagem, portavam as obras que integram a mostra”.

O produtor observa também que a exposição Nômades/Bikost agrupa uma miríade de questões pertinentes à arte contemporânea, sobretudo no que diz respeito às práticas, linguagens e técnicas. “Abstracionismo, figuração e colagem – assim como um encontro de regimes poéticos determinados por distintas geografias – apresentam-se nesta exposição de forma indissolúvel às questões humanas relacionadas aos deslocamentos territoriais, tornando o ambiente propício para trocas fortuitas em uma encruzilhada de caminhos humanos”, conclui Scheller.

FORTALECIMENTO DE LAÇOS INSTITUCIONAIS

A exposição Nômades/Bikost foi viabilizada em colaboração com o Consulado Geral do Uruguai. A abertura da mostra contou com a presença do Embaixador do Uruguai no Brasil, Guillermo Valles Galmés, e da consulesa do Uruguai em Porto Alegre, Liliana Buonomo, ao lado dos artistas Gino Bidart, natural de Rivera, e Gabriela Kostesky, nascida em Montevidéu. Recepcionados em nome da secretária de Cultura do Estado, Beatriz Araujo, pelo diretor da CCMQ, Diego Groisman, e pelo diretor do Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS), André Venzon, os representantes diplomáticos e os artistas do país vizinho manifestaram a emoção proporcionada pelo momento e pelo fortalecimento dos laços culturais entre Uruguai e Brasil.

A consulesa Liliana Buonomo enumerou ações culturais que, nos últimos anos, têm aproximado artistas e instituições dos dois países, em especial, com o Estado do Rio Grande do Sul e com Porto Alegre. Liliana mencionou ainda a proximidade de duas datas de extrema significância para rio-grandenses e uruguaios: as comemorações da Semana Farroupilha, movimento de fortes vínculos com o contexto uruguaio da época, e o 23 de setembro, data de falecimento do herói nacional uruguaio José Gervasio Artigas (1764-1850). O embaixador do Uruguai no Brasil, Guillermo Valles Galmés, em manifestação bastante emotiva, falou sobre a importância da arte em momentos de tanta apreensão quanto ao futuro da humanidade, seja frente aos desafios impostos por questões políticas, ambientais e humanitárias, seja diante das transformações nas relações humanas determinadas pela tecnologia. Conforme o embaixador, a arte tem a capacidade de fazer com que preservemos valores e sentimentos humanos.

A emoção também esteve marcada nas palavras de Gino Bidart. O artista relatou o sentimento de acolhimento experimentado, segundo ele, por um nômade que se estabeleceu há poucos meses em Porto Alegre, com todas as limitações, riscos e sofrimentos determinados pela pandemia. Gabriela Kostesky, também radicada recentemente na cidade, ressaltou esse sentimento com o fato da acolhida culminar com a exposição no complexo cultural mais visitado pelo público da capital. Sinalizando a ampliação da interação da CCMQ com a produção artística dos países vizinhos, o diretor da instituição, Diego Groisman destacou a realização, no mês de dezembro, o 1º Circuito Latino-americano de Arte Contemporânea, cujas inscrições permanecem abertas até 15 de outubro (edital e ficha de inscrição neste link). A secretária de Estado da Cultura, Beatriz Araujo, assinala a relevância simbólica da exposição Nômades/Biskot. “Além da qualidade das obras e das trajetórias artísticas de Gino Bidart e Gabriela Kostesky, a exposição solidifica e amplia os laços institucionais entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai, estabelecendo novas perspectivas de intercâmbio cultural com o país vizinho”, comemora a secretária.

Exposição Nômades/Biskot
Onde:
 Fotogaleria Virgílio Calegari, 7º andar da CCMQ
Quando: até 17 de outubro
Horário de visitação: segundas a sábados, das 10h às 18h 

CLIQUE PARA AMPLIAR
Patrocinador Master
Apoio
Realização