Jardim Lutzenberger

O Jardim, além da visitação, é também utilizado para apresentações culturais.

Fica aberto para visitação sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h30 e de terças a sextas, das 9h às 18h30.

Em pleno centro da cidade de Porto Alegre/RS, na Casa de Cultura Mario Quintana, o Jardim Lutzenberger apresenta uma diversidade de coleções e ambientes botânicos, representativos de banhados, desertos, pradarias e ambientes tropicais, demonstrando que mesmo áreas essencialmente urbanas podem e devem abrigar ampla gama de espécies. O ambientalista gaúcho Lutzenberger, amante e grande defensor das paisagens naturais, via na jardinagem uma ferramenta singular de estímulo à sensibilidade individual para preservação ambiental. Em uma proposta que integra ambiente, arte e cultua, homenageia-se Lutzenberger e contribuiu-se para a formação de uma cultura mais consciente e responsável pela grande diversidade que dá Vida à nossa Terra. Reunir José Lutzenberger e Mario Quintana no mesmo espaço é destacar a poesia inerente à natureza e fortalecer o papel da natureza na poesia. Passear por um jardim é nutrir a alma e conduzí-la pela fantasia do mundo real em sua miríade de cores, texturas, aromas, formas e demais estímulos. Não há natureza sem poesia e, como bem nos ilustra o poeta Mario Quintana, não há poesia sem natureza.

Texto de Edgar Salla, biólogo e paisagista que mantém os jardins da Casa.
Fonte: http://www.fgaia.org.br/

Em junho de 2013, o artista plástico Mauro Fuke criou pergolados novos para o Jardim Lutzenberger. A iniciativa contou com o apoio da Braskem, que buscou valorizar ainda mais o espaço também decorado com uma praça feita com madeira plástica reciclada.

 

 

José Lutzenberger (Porto Alegre, 17/12/1926 — 14/5/2002)

Agrônomo e ecologista brasileiro que participou ativamente na luta pela conservação e preservação ambiental. Na obra “Manifesto Ecológico” que lançou em 1970, já previa o problema do aquecimento global. Por sua representatividade como liderança social foi secretário-especial do Meio Ambiente da Presidência da República de 1990 a 1992. Criou a Fundação Gaia, presidida hoje por sua filha.