Sala Hermes Mancilha

Espaço reservado para ensaios, oficinas e encontros de artes cênicas.

 

Hermes Mancilha (Camaquã,  30/6/1959 – Canoas, 15/8/1996)

Formou-se em licenciatura no DAD/UFRGS em 1985 e em direção teatral em 1990. Encenou algumas das suas peças infantil e infanto-juvenil. Do Outro Lado da Cerca ou Hardy Boys foi escrita e encenada em 1987. A primeira temporada foi no Teatro de Câmara. Do Outro Lado da Cerca ficou em cartaz mais de um ano e foi depois encenada em São Paulo.

Hermes Mancilha, o incansável e hermético Hermes, como ele mesmo se autodenominava, além de autor e ator, foi iluminador, diretor, figurinista e cenógrafo nessa e em algumas outras de suas obras, como em 1985, quando montou a peça Do You Remember/ ou Sem Pecado, apresentada no Teatro da Reitoria e depois no Teatro do DAD.

Estudioso da etnia negra, ele utilizou a temática do negro na peça Aprendizes do Império – espetáculo que escreveu e encenou em 1989, e na peça ainda não encenada Como a Moça foi Sacrificada por sua Família e como seu Amado a Trouxe Lá de Baixo ou Wanjiru e Aduntê – Amores em tempo de seca.

Em 1990 ingressou na FUNDASUL (Fundação Gaúcha do Trabalho e Ação Social, Orgão da Secretaria da Justiça, do Trabalho e Cidadania) e atuou no “Vida Centro Humanístico” ministrando  oficinas teatrais para crianças e adolescentes da zona norte da cidade.  No último ano de vida, dedicou-se a orientar o Grupo Amizade de Canoas, que apresentou a peça Lamento Negro e ou Filhos da Resistência, criação coletiva.

Em 1988, atuou em Jato de Sangue, de Antonin Artaud, com direção de Shirley Rosário. Ao Hermes ator coube o papel do “cavaleiro”, um São Jorge mordaz e selvagem, cabeça raspada, corpo e face maquiados com argila, e portando uma espada imensa. Foi assistente de direção, responsável pelo grupo dos atores iniciantes e pelas cenas que eles participavam onde representavam animais e tipos da sociedade. Mais uma vez foi assistente de direção da amiga Shirley Rosário em “A Carta Perdida”, em 1990.

Participou de 40 espetáculos teatrais, ora como ator, autor ou iluminador no período de 1981 a 1996. Atuou em O Espelho, Não Pensa muito que Dói, Balei na Curva, Cabeça Quebra Cabeça, Do Outro Lado da Cerca e ou Hardy Boys, A Tempestade, Jato de Sangue, entre outros.

Dirigiu All That Show, ou Louco de Atar, A Informação, Do Outro lado da cerca, Hardy Boys, Dorotéia, Aprendizes do Império, Blue Jeans, Dia da Pesca, Dia do Pescador, Língua de Trapo, o Namorador, No Reino da Poça D’Água, Uma Questão de Fé, Capoeira – Movimentos de Resistência, Esses Moços.

Seus textos já encenados são: Do You Remember me? Ou Sem Pecado, Do Outro Lado da Cerca e ou Hardy Boys, Aprendizes do Império, A Conquista do Fogo, No Reino da Poça D’Água; Uma Questão de Fé; As Divinas Gordas (escrito em conjunto com Paulo Renato Soares); Nos espetáculos: Não Pensa Muito que Dói,  Bailei na Curva e Cabeça Quebra Cabeça no Grupo Do Jeito que Dá; Lamento Negro e ou Filhos da Resistência no Grupo Amizade, participou da criação coletiva.

Textos de espetáculos inéditos:  Como a Moça foi Sacrificada por sua Família e como seu amado a trouxe lá de baixo ou Wanjiru e Aduntê – Amores em tempo de seca; Condomínio; A Tônia; O Guadião do Planeta Azul; Joga fora no Lixo; Na Banca de Revista; O Galo Cantor; Sem Excessos, o Galo Francês; Navegar é Preciso; Nas ondas do Rádio; Arruma senão eu caio; Dois homens, um destino ou Os Sobreviventes ou Struggle for life; O Rádio; Penas Corrosivas; Até o fim ou A Barata, entre outros. Participou dos seguintes grupos de teatro: Do Jeito que dá; Quem não Naja é Peixe; Duvida; Amizade; Encontros Casuais e Cabra Cega.